a bíblia hebraica e grega e sua divisão entre judeus e cristãos

A Bíblia hebraica e grega e sua divisão entre judeus e cristãos

Nunca um livro conseguiu um feito tão prodigioso como a Bíblia, mudar a vida de milhões de pessoas em todas a eras, isso se deve pelo fato de ela ser a Palavra de Deus e inspirada pelo Espirito Santo. A Bíblia não é um livro que foi escrito por uma única pessoa, ou um romance de sucesso, ela é o alimento da alma do ser humano.

A Bíblia aceita pela maioria dos cristãos católicos e protestantes, foi escrita por cerca de 40 autores em um período de aproximadamente 1.600 anos

Não existe na história da humanidade um livro como a Bíblia, que já foi chamada de Escrituras (2 Tm 3:16), Oráculos de Deus (Rm 3:2), Palavra de Deus (Hb 4:12), Livro do Senhor (Is 34:16) e hoje é conhecida no mundo inteiro pelo nome Bíblia.

A Palavra Bíblia[1]  vem do grego βιβλία, plural de βιβλίον, transliteração “bíblion”, “rolo” ou “livro”, diminutivo de “byblos”, “papiro egípcio”, provavelmente do nome da cidade de onde esse material era exportado para a Grécia, Biblos é uma coleção de textos religiosos ou uma biblioteca de de valor sagrado para o segmento do cristianismo, onde é narrado a história da criação da Terra e dos homens, sua queda e posterior salvação desses por Deus, através de seu filho Jesus. É considerada pelos cristãos como divinamente inspirada, tratando-se de importante documento doutrinário.

Conforme John Mein, o nome Bíblia foi usado pela primeira vez por Crisóstomo no século IV. É derivado de «Biblos», uma palavra grega que significa livros. Este não é um título inconveniente, embora «O Livro» — porque é um livro só — seja um título mais correto. Lemos «no rolo do Livro» em Salmos 40:7.[2]

Segundo a tradição aceita pela maioria dos cristãos, a Bíblia foi escrita por 40 autores, num período de quase 1600 anos.

Outra informação importante para o estudante da Bíblia é a questão dos capítulos e versículos constantes no Livro Sagrado. Esses números que auxiliam o leitor da Bíblia só foi criado no a partir do século XIII. Em 1250 foi realizado a numeração dos livros por capítulos e entre 1445 e 1551 a numeração dos versículos.

Vejamos algumas Versões e Traduções da Bíblia Sagrada:

Tanak

Tanakh ou Tanach (em hebraico תנ״ך) é um acrônimo utilizado dentro do judaísmo para denominar seu conjunto principal de livros sagrados, sendo o mais próximo do que se pode chamar de uma Bíblia judaica.

A divisão refletida pelo acrônimo Tanakh está atestada em documentos do período do Segundo Templo e na literatura rabínica. Durante aquele período, entretanto, o acrônimo Tanakh não era usado, sendo que o termo apropriado era Mikra (“Leitura”). Este termo continua sendo usado em nossos dias, junto com Tanakh, em referência as escrituras hebraicas.

No hebraico moderno, o uso do termo Mikrá (מקרא) dá um tom mais formal do que o termo Tanakh.

Septuaginta

Podemos dizer que a primeira tradução dos escritos Sagrados Foi a LXX (Septuaginta)

Em torno de 285 á 246 a.c, Ptolomeu II (o segundo rei do Egito após o império de Alexandre. o Grande), no intuito de engrandecer ainda mais sua biblioteca de Alexandria, pediu que o Sumo Sacerdote Eleazar, que lhe enviasse 72 escribas (seis de cada tribo) para fazer a tradução da Torá para o grego (língua predominante na época), nessa ocasião então que foram acrescentados os livros apócrifos, pois sua intenção era formar um conjunto de livros históricos e não sagrados.

 

A Versão Vetus Ìtala

Mais de três séculos após o lançamento da septuaginta, em 170 d.c foi feito a versão vetus Itala (Latim antigo), já que o latim estava se tornando uma língua bastante usada na época, essas traduções foram feitas por cristãos, individualmente, baseados na septuaginta, para uso em suas próprias comunidades. Esta versão trazia o Velho e o Novo Testamento, também trazia os livros apócrifos.

 

Vulgata

No sentido corrente, Vulgata é a tradução para o latim da Bíblia, escrita entre fins do século IV início do século V, por São Jerónimo, a pedido do bispo Dâmaso I, que foi usada pela Igreja Cristã e ainda é muito respeitada.

A Vulgata foi produzida para ser mais exata e mais fácil de compreender do que suas predecessoras. Foi a primeira, e por séculos a única, versão da Bíblia que verteu o Velho Testamento diretamente do hebraico e não da tradução grega conhecida como Septuaginta.

Texto Massorético

O Texto Massorético, o texto bíblico hebraico oficial da Bíblia Hebraica, é o resultado das atividades dos massoretas, os quais eram eruditos judeus que estiveram ativos entre o século VII e X e tiveram como objetivo preservar e transmitir o texto bíblico corretamente.[3]

O termo “massorá” provém na língua hebraica de mesorah (מסורה, alt. מסורת) e indica “tradição”. Portanto seria essa a mais pura tradução do Antigo Testamento.

 

 

Texto Bizantino (Textos Receptus)

No Império Bizantino (Império Romano do Oriente) a cultura grega foi preservada nos períodos de 333 d.C a 1453 d.C. Os Bizantinos (pessoas que viveram durante o império Romano) conservaram muitas cópias dos manuscritos do Novo Testamento em sua língua original. Cerca de 5.000 manuscritos.

Erasmo de Roterdã, um estudioso do grego, preparou uma edição do Novo Testamento tendo como base, os melhores manuscritos bizantinos. Esse texto foi posteriormente denominado Textus Receptus (Texto Recebido) ou simplesmente TR. O TR foi editado por Erasmo (1516), depois por Estéfano (1546-51), depois por Beza (1598) e os irmãos Elzevir (1624/1633).

 

A Canon

A Palavra Canon no hebraico é qenéh e no grego kanóni, têm o significado de “régua” ou “cana [de medir]”. O Cânone Bíblico designa o inventário ou lista de escritos ou livros considerados pelas religiões cristãs como tendo evidências de Inspiração Divina, Ou seja, A Bíblia se trata de escritos inspirados por Deus para nos transmitir suas “regras”, ou “normas” de vida.

Os Saduceus e os Samaritanos só aceitavam como canônicos os cinco livros de Moisés (Pentateuco). O Antigo testamento dos Judeus está dividido em três grupos contendo o um total de 24 livros. São eles: Lei, Profetas e Escritos. Jesus fala sobre esses Livros [Lc: 24.44]

 

Até os primeiros quatro séculos, na igreja antiga, não havia um parecer oficial sobre o Cânon do AT. São Jerônimo Roma deu ênfase ao questionamento dos livros apócrifos quando traduziu a vulgata, porém a igreja romana oficializou o uso do Canon Alexandrino (Septuaginta). De forma que depois do séc. IV, o Cânon Alexandrino havia obtido aceitação ampla em toda Igreja: no Ocidente com as versões da Vetus Latina e a Vulgata. e no Oriente com a Septuaginta.Isso até o Século XVI ,quando Matinho Lutero iniciou a reforma protestante.Lutero volta a questionar o caráter canônico dos livros Deuterocanônicos do Antigo Testamento  e alguns trechos.Em 31 de outubro de 1517 foram pregadas as 95 Teses na porta da Igreja do de Wittenberg, com um convite aberto ao debate sobre elas. Esse fato é considerado como o início da Reforma Protestante. Os protestantes liderados por Matinho Lutero combatiam com suas teses algumas doutrinas aplicadas pela igreja Católica, tais como: O Purgatório, Oração pelos mortos, Salvação mediante obras, dentre outras. Em 1545, os Católicos convocam o Concílio de Trento, que novamente reafirma o caráter canônico do Cânon Alexandrino. Pois nos tais livros apócrifos os Católicos achavam base para combater as teses de Matinho Lutero. Desde então Surge à religião Protestante aderindo ao mesmo Canon usado pelos Judeus juntamente com o Canon do Novo Testamento usado por ambas as religiões cristãs (Católicos e Protestantes).

 

A Biblia em Português

Assim como nas outros idiomas, a bíblia não foi inicialmente traduzida por inteiro para o português. Essa tradução aconteceu aos poucos.

D.Diniz,rei de Portugal(1279-1375] ordenou a tradução de uma parte do livro de Gênesis a partir da Vulgata.O rei D.João I (1389-1433) Traduziu grande parte do Novo Testamento e o Livro dos Salmos,Sua Neta chamada Filipa Traduziu os quatro evangelhos de alguma tradução francesa.O Frei Bernardo de alcobaça século XV também fez uma tradução do evangelho de Mateus e o livro “Vita Christi, de Ludolfo Cartusiano”.Em 1.495 ,a rainha Leonor Esposa de D.João II mandou publicar o Livro  “Vita Christi, de Ludolfo Cartusiano” e ordena a tradução de Atos dos Apóstolos e as Epístolas universais.

 

Versão de João Ferreira de Almeida

A tradução feita por João Ferreira de Almeida é considerada um marco na história da Bíblia em português porque foi à primeira tradução a partir das línguas originais. Ele já conhecia a Vulgata, já que seu tio era padre. Após se converter ao protestantismo aos 14 anos, Almeida partiu para a Batávia. Aos 35 anos, iniciou a tradução a partir de obras escritas no idioma original, embora seja um mistério como ele aprendeu estes idiomas. Usou como base o Texto Massorético para o Antigo Testamento e uma edição de 1633 (pelos irmãos Elzevir) do Textus Receptus.

A tradução do Novo Testamento ficou pronta em 1676. O texto foi enviado para a Holanda para revisão, que durou cinco anos, sendo publicado em 1681. Porém organizações distintas com objetivos comerciais se levantaram contra a versão de Almeida, fazendo com que se recolhesse e destruísse dos exemplares.

Os que foram salvos, foram corrigidos e utilizados em igrejas protestantes no Oriente, sendo que um deles está exposto no Museu Britânico.

O próprio Almeida revisou o texto durante dez anos, sendo publicado após a sua morte, em 1693. Enquanto revisava, trabalhava também no Antigo Testamento. O Pentateuco ficou pronto em 1683. Almeida conseguiu traduzir até Ezequiel 48:12 em 1691, ano de sua morte.É então que Jacobus op den Akker,termina o trabalho de seu amigo em 1694.Em 1819, a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira publica primeira Bíblia completa, em um volume.

O Texto de Almeida foi revisado em 1894 e 1925. Em 1951 a Imprensa Bíblica Brasileira (organização Batista Independente) publicou a Edição Revista e corrigida Abreviadamente ARC.

Uma Comissão de especialistas brasileiros, Trabalhando de 1945 a 1955 apresentou ultimamente a “Edição Revista Atualizada de Almeida (ARA). Trata-se de uma Obra com melhor linguagem e melhor tradução. A publicação foi feita pela Sociedade Bíblica Brasileira.

A ideia nesse artigo é disponibilizar para o povo de Deus a lista de livros que compõe o que os seguimentos cristãos chamam de Palavra de Deus ou Bíblia, podendo esse artigo ser posteriormente editado e assim ajudar os amantes dos oráculos de Deus.

Abaixo você pode comparar o cânon judaico em hebraico, o cânon judaico traduzido pelos setenta e dois escribas e que ficou conhecida por Septuaginta ou LXX; o cânon do Novo Testamento católico romano, católico ortodoxo, católico etíope e protestante.

ANTIGO TESTAMENTO
Tanak – Cânon Judaico Cânon Cristão
Bíblia Judaica Nome Transliterado Nome em Português Antigo Testamento Bíblia Ortodoxa Bíblia Católica Bíblia Protestante
1º grupo de Livros Nome em Português Nome Católico Nome Protestante
Torá 1º grupo de Livros 1º grupo de Livros 1º grupo de Livros 1º grupo de Livros
A Lei
בראשית Bereshit Gênesis
שמות Shemot Êxodus Γένεσις Gênesis Gênesis Gênesis
ויקרא Vayikrah Levítico Ἔξοδος Êxodus Êxodus Êxodus
במדבר Bamidbar Números Λευϊτικόν Levítico Levítico Levítico
דברים Devarim Deuteronômio Ἀριθμοί Números Números Números
Δευτερονόμιον Deuteronômio Deuteronômio Deuteronômio
2º grupo de Livros
2º grupo de Livros 2º grupo de Livros 2º grupo de Livros 2º grupo de Livros
Nevi’im
  História
Nevi’im Rishonim (Antigos Profetas) [נביאים ראשונים]
יהושע Yehoshua Josué Ἰησοῦς Nαυῆ Josué Josué Josué
שופטים Shoftim Juízes Κριταί Juízes Juízes Juízes
שמואל Shmu’el Samuel Ῥούθ Rute Rute Rute
מלכים Melakhim Reis Βασιλειῶν Αʹ I Reinos I Reis I Samuel
Βασιλειῶν Βʹ II Reinos II Reis II Samuel
Nevi’im Aharonim (Últimos Profetas) [נביאים אחרונים] Βασιλειῶν Γʹ III Reinos III Reis I Reis
ישעיהו Yeshayahu Isaias Βασιλειῶν Δʹ IV Reinos IV Reis II Reis
ירמיהו Yirmiyahu Jeremias Παραλειπομένων Αʹ I Paralipomenon I Crônicas I Crônicas
יחזקאל Yehezq’el Ezequiel Παραλειπομένων Βʹ II Paralipomenon II Crônicas II Crônicas
הושע Hoshea Oséias
יואל Yo’el Joel Ἔσδρας Αʹ I Esdras Não Tem Não Tem
עמוס Amos Amós Ἔσδρας Βʹ II Esdras I Esdras Esdras
עבדיה Ovadyah Obadias II Esdras Neemias
יונה Yonah Jonas
מיכה Mikhah Miquéias Obs.: O livro “II Esdras” Ortodoxo contém em si os que os romanos chamaram de I e II Esdras, e os que os protestantes chamaram de “Esdras” e “Neemias”. O “I Esdras” Ortodoxo não existe nas Bíblias romanas ou protestantes.
נחום Nakhum Naum
חבקוק Habaquq Habaquque
צפניה Tsefania Sofonias Τωβίτ Tobias Tobias Não Tem
חגי Haggai Ageu Ἰουδίθ Judite Judite Não Tem
זכריה Zekharia Zacarias Ἐσθήρ Ester Ester Ester
מלאכי Malakhi Malaquias (Completo) (Completo) (Incompleto)
3º grupo de Livros
Ketuvim Obs.: O livro “Ester” Ortodoxo e Romano é completo, possuindo partes faltantes das Bíblias protestantes tradicionais.
תהלים Tehillim Salmos Μακκαβαίων Αʹ I Macabeus I Macabeus Não Tem
משלי Mishlei Provérbios Μακκαβαίων Βʹ II Macabeus II Macebeus Não Tem
איוב Iyyov Μακκαβαίων Γʹ III Macabeus Não Tem Não Tem
שיר השירים Shir ha-Shirim Cânticos dos Cânticos
רות Rut Rute Sabedoria
איכה Eikhah Lamentações
קהלת Qohelet Eclesiastes Ψαλμοί Salmos Salmos Salmos
אסתר Ester Ester Ψαλμός ΡΝΑʹ Salmo 151 Não Tem Não Tem
דניאל Dani’el Daniel ΄Ωδαὶ Odes(*) Não Tem Não Tem
עזרא Ezra Esdras Προσευχὴ Μανάσση Oração de Manassés Não Tem Não Tem
דברי הימים Divrei ha-Yamim Crônicas Ἰώβ
Παροιμίαι Provérbios Provérbios Provérbios
Ἐκκλησιαστής Eclesiastes Eclesiastes Eclesiastes
Ἆσμα Ἀσμάτων Cântico Cântico Cântico
dos Cânticos dos Cânticos dos Cânticos
Σοφία Σαλoμῶντος Sabedoria Sabedoria Não Tem
Σοφία Ἰησοῦ Σειράχ Sabedoria de Jesus Eclesiástico Não Tem
Filho de Sirach
Ψαλμοί Σαλoμῶντος Salmos de Salomão Não Tem Não Tem
Profetas
Δώδεκα
Ὡσηέ Αʹ Hoséias Hoséias Hoséias
Ἀμώς Βʹ Amós Amós Amós
Μιχαίας Γʹ Miquéias Miquéias Miquéias
Ἰωήλ Δʹ Joel Joel Joel
Ὀβδίου Εʹ Obadias Obadias Obadias
Ἰωνᾶς Ϛ’ Jonas Jonas Jonas
Ναούμ Ζʹ Naum Naum Naum
Ἀμβακούμ Ηʹ Habacuque Habacuque Habacuque
Σοφονίας Θʹ Sofonias Sofonias Sofonias
Ἀγγαῖος Ιʹ Ageu Ageu Ageu
Ζαχαρίας ΙΑʹ Zacarias Zacarias Zacarias
Ἄγγελος ΙΒʹ Malaquias Malaquias Malaquias
Ἠσαΐας Isaías Isaías Isaías
Ἱερεμίας Jeremias Jeremias Jeremias
Βαρούχ Baruque Baruque Não Tem
Θρῆνοι Lamentações Lamentações Lamentações
Επιστολή Ιερεμίου Epistola de Jeremias Baruque Não Tem
Obs. Na Bíblia romana o livro “Baruque” une os livros chamados “Baruque” e “Epístola de Jeremias” na Bíblia Ortodoxa.
Ἰεζεκιήλ Ezequiel Ezequiel Ezequiel
Δανιήλ Daniel Daniel Daniel
(Completo) (completo) (Incompleto)
Apêndice
Μακκαβαίων Δ’ Παράρτημα 4 Macabeus Não Tem Não Tem
NOVO TESTAMENTO
Católicos, a maioria dos protestantes,
Ortodoxa Grega
Bíblia Protestante Luterana Bíblia Eslava Ortodoxa Bíblia Etíope
Os Evangelhos Os Evangelhos Os Evangelhos Os Evangelhos Os Evangelhos
Μαθθαιον Mateus Mateus Mateus Mateus
Μαρχον Marcos Marcos Marcos Marcos
Λουχαν Lucas Lucas Lucas Lucas
Ιωαννην João João João João
Livro Histórico Livro Histórico Livro Histórico Livro Histórico Livro Histórico
πρα Atos Atos Atos Atos
Epístolas paulinas Epístolas paulinas Epístolas paulinas As Epístolas Gerais Epístolas paulinas
Ρωμαιους Romanos Romanos Tiago Romanos
Κορινθιους α I Coríntios I Coríntios I Pedro I Coríntios
Κορινθιους β II Coríntios II Coríntios II Pedro I Coríntios
Γαλατας Gálatas Gálatas I João Gálatas
Εφεσιους Efésios Efésios II João Efésios
Φιλιππησιους Filipenses Filipenses III João Filipenses
Κολασσαεις Colossenses Colossenses Judas Colossenses
Θεσσαλονιχεις α I Tessalonicenses I Tessalonicenses As Epístolas paulinas I Tessalonicenses
Θεσσαλονιχεις β II Tessalonicenses II Tessalonicenses Romanos II Tessalonicenses
Τιμοθεον α I Timóteo I Timóteo I Coríntios I Timóteo
Τιμοθεον β II Timóteo II Timóteo I Coríntios II Timóteo
Τιτον Tito Tito Gálatas Tito
Φιλημονα Filémon Filémon Efésios Filémon
As Epístolas Gerais As Epístolas Gerais As Epístolas Gerais Filipenses As Epístolas Gerais
Εβραιους Hebreus I Pedro Colossenses Hebreus
Ιαχωβου Tiago II Pedro I Tessalonicenses I Pedro
Πετρου α I Pedro I João II Tessalonicenses II Pedro
Πετρου β II Pedro II João I Timóteo I João
Ιωαννου α I João III João II Timóteo II João
Ιωαννου β II João Livros questionada por Lutero Tito III João
Ιωαννου γ III João Hebreus Filémon Tiago
Ιουδα Judas Tiago Hebreus Judas
Αποκαλυψη Apocalipse Judas Apocalipse Apocalipse de João
Αποκαλυψισ Ιωαννου Apocalipse de João Apocalipse de João Apocalipse de João Enoque
Jubileus
III Esdras
IV Esdras
I Sínodos
II Sínodos
III Sínodos
IV Sínodos
I Pacto
II Pacto
Clemente
Didascalia
Por: Luiz Flávio Curvelo de Jesus
Referências:
[1]  A palavra Bílbia vem do latim medieval BIBLIA, retirado da expressão BIBLIA SACRA, “livros sagrados” (BIBLIA é um plural em Latim) , uma tradução do Grego TA BIBLIA TO HAGIA, “os livros sagrados”, de BIBLION, “papel, rolo, livro”. Originalmente BIBLION era diminutivo de BYBLOS, “papiro egípcio”, provavelmente do nome da cidade (hoje JEBEIL, no Líbano), de onde esse material era exportado para a Grécia.
[2] MEIN, John , A Bíblia – E Como Chegou Até Nós – JUERP, 1.993
[3] REVELL, E. J, “Massoretic Studies” in The Anchor Bible Dictionary, vol. 4, 1.992, pag. 596
Stephanus, Textus Receptus — Novo Testamento Grego, ano 1.611 – SBT
 Biblia Hebraica Stuttgartensia
sites:
http://www.wikipedia.com.br
http://www.sbb.org.br/a-biblia-sagrada

Todos os direitos reservados em Língua Portuguesa Luiz Flávio Curvelo.

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial desta postagem, por quaisquer meios (eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou outros), sem a prévia autorização, por escrito do autor.

(Estando sujeito a ações penais previstas na lei brasileira de direitos autorais. Lei n.º 9.610, De 19.02.1998 // Capítulo III / artigos 28 e 29).

Deixe uma resposta